• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Ceará é o estado em que os jornalistas trabalham mais horas semanais

Com 41 horas semanais, o Ceará é hoje o estado brasileiro em que os jornalistas possuem a maior carga horária trabalhada

Publicado: 23 Abril, 2019 - 10h51

Escrito por: Sindjorce

Sindjorce
notice

No Brasil, incluindo estados e Distrito Federal, a média de horas trabalhadas pela categoria é de 38 horas semanais. Significa que, em média, os jornalistas cearenses trabalham 3 horas a mais que os demais profissionais no país. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), a partir de informações fornecidas pelas próprias empresas jornalísticas à União.

Cabe ressaltar que o Ceará é o único que chega à marca das 41 horas semanais trabalhadas pela categoria. Os que trabalham menos – 34 horas por semana – exercem atividades jornalísticas no Rio Grande do Sul e em Roraima. Entre os campeões de jornada de trabalho semanal estão o Rio Grande do Norte, Alagoas, São Paulo, Maranhão, Piauí e Amazonas – todos com 39 horas de trabalho por semana.

Não obstante apresentarem a mais elevada jornada de trabalho nacional, os jornalistas cearenses, no entanto, possuem apenas o 16º maior salário por hora, auferindo R$ 59,06 por hora laborada. Ou seja, os profissionais locais recebem R$ 6,75 a menos do que a média nacional, que é de R$ 65,81. O menor salário/hora é do Rio Grande do Norte, com R$ 45,46, ao passo em que o maior é do Distrito Federal, de R$ 133,26 a hora trabalhada, sendo a carga semanal por lá de 36 horas.

Para a presidente do Sindicato dos Jornalistas do Ceará (Sindjorce) e segunda tesoureira da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Samira de Castro,os dados do Caged e da RAIS reforçam a necessidade de manutenção do direito ao pagamento de horas extras para os profissionais que exercem o jornalismo no Estado. “As empresas querem reduzir o pagamento de horas extras convencionado há mais de uma década, que remunera em 80% a sexta hora extra trabalhada no dia, e em 100% a sétima hora extra trabalhada por dia no Ceará. A proposta patronal é de que, a partir da sexta-hora, a remuneração seja de 50% da hora normal”, explica.

Samira de Castro destaca que está comprovada, com dados das próprias empresas, uma vez que são elas que alimentam o Caged e a RAIS, a mais valia praticada pelos donos de veículos de comunicação no Estado. “Temos argumentos irrefutáveis para defender a manutenção do direito às horas extras em 80% e 100% e não vamos abrir mão de uma cláusula que está nas convenções coletivas de trabalho há décadas. Nosso trabalho precisa ser valorizado como essencial, como de uma categoria que atua com o direito à informação na prática, cumprindo um papel social”, reforça.

 

Jornalistas – Horas semanais trabalhadas

1 – Ceará – 41 horas
2 – Rio Grande do Norte – 39 horas
3 – Alagoas – 39 horas
4 – São Paulo – 39 horas
5 – Maranhão – 39 horas
6 – Piauí – 39 horas
7 – Amazonas – 39 horas
8 – Paraíba – 38 horas
9 – Pernambuco – 38 horas
10 – Santa Catarina – 38 horas
11 – Tocantins – 38 horas
12 – Goiás – 38 horas
13 – Mato Grosso – 38 horas
14 – Minas Gerais – 38 horas
15 – Espírito Santo – 38 horas
16 – Rio de Janeiro – 38 horas
17 – Bahia – 38 horas
18 – Paraná – 37 horas
19 – Rondônia – 37 horas
20 – Amapá – 37 horas
21 – Acre – 36 horas
22 – Distrito Federal – 36 horas
23 – Pará – 36 horas
24 – Mato Grosso do Sul – 36 horas
25 – Sergipe – 36 horas
26 – Rio Grande do Sul – 34 horas
27 – Roraima – 34 horas

Média nacional –  38 horas

Jornalistas – Valor do Salário Hora

1 – Distrito Federal – R$ 133,26
2 – São Paulo – R$ 99, 39
3 – Rio de Janeiro – R$ 99,04
4 – Paraná – R$ 81,38
5 – Amazonas – R$ 76,90
6 – Mato Grosso – R$ 71,36
7 – Bahia – R$ 68,35
8 – Goiás – R$ 68,05
9 – Mato Grosso do Sul – R$ 67,82
10 – Minas Gerais – R$ 63,42
11 – Pará – R$ 62,49
12 – Santa Catarina – R$ 61,10
13 – Rio Grande do Sul – R$ 61,05
14 – Pernambuco – R$ 59,89
15 – Tocantins – R$ 59,78
16 – Ceará – R$ 59,06
17 – Espírito Santo – R$ 58,23
18 – Roraima – R$ 57,62
19 – Maranhão – R$ 56,91
20 – Alagoas – R$ 55,97
21 – Acre – R$ 55,74
22 – Amapá – R$ 55,66
23 – Paraíba – R$ 55,17
24 – Rondônia – R$ 48,30
25 – Sergipe – R$ 47,77
26 – Piaui – R$ 47,61
27 – Rio Grande do Norte – R$ 45,46

Média nacional – R$ 65,81

Fonte: Caged e RAIS 2017 

Elaboração: Dieese