• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT repudia a tentativa de intimidação e cerceamento do direito à livre manifestação

A manifestação realizada em Fortaleza foi alvo de ações truculentas e desproporcionais das forças policiais do Ceará

Publicado: 07 Junho, 2020 - 22h15 | Última modificação: 08 Junho, 2020 - 10h23

Escrito por: Redação CUT

notice

A Central Única dos Trabalhadores no Ceará vem a público expressar sua profunda apreensão com os episódios envolvendo a manifestação ocorrida neste domingo (7/6), em Fortaleza, em defesa da democracia e contra as ações autoritárias e racistas do governo de Jair Bolsonaro (Sem partido). O ato pacífico também denunciou o total descaso do Governo Federal com a crise sanitária do Coronavírus, que já vitimou mais de 35 mil pessoas no Brasil e 3.982 no Ceará.

A Praça Portugal - local onde seria realizada a concentração do ato - foi interditada por diversos destacamentos policiais, com dezenas de homens armados, numa operação claramente pensada para intimidar e cercear o direito à livre manifestação. Registros fotográficos e vídeos já circulam nas Redes Sociais, nos principais veículos de comunicação e retratam a ação policial totalmente absurda e desproporcional contra as pessoas que se manifestavam de forma pacífica.

A CUT reafirma o seu compromisso em defesa do direito à livre manifestação e expressão. Para nós, o direito ao protesto popular é uma das conquistas democráticas mais importantes da história recente do Brasil, para o qual muito contribuiu o sindicalismo classista, combativo e cidadão da CUT. Foi na rua que a central se firmou como referência de luta da classe trabalhadora brasileira. Por isso, repudiamos com veemência a repressão da Polícia Militar do Estado do Ceará contra os manifestantes que ocuparam um trecho da Avenida Desembargador Moreira para se manifestar de forma pacífica.

É inadmissível que reações como essa voltem a se repetir, assim como ocorreu em Dezembro de 2018, quando a PM abordou de forma truculenta os servidores públicos estaduais que lutavam contra a Reforma da Previdência. Portanto, exigimos que o Governo do Estado apure esta ação arbitrária da Polícia Militar contra trabalhadores e trabalhadoras e tome providências.

Tempos difíceis pedem reações fortes e elas começaram a aparecer. Mesmo com a crise sanitária, as bases da sociedade estão se movendo contra a extrema direita, que prega o armamento, a retirada de direitos, a misoginia, o preconceito e o racismo.

Essa luta é de todas e todos nós

 

Fascismo nunca mais!

Fora Bolsonaro!

 

Fortaleza, 7 de Junho de 2020

Direção-Executiva da CUT-CE