• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Fetraece lança campanha Margaridas empoderadas no enfrentamento à violência contra a

O lançamento oficial ocorreu na última sexta-feira, 19 de junho, e a ação é intitulada de Margaridas empoderadas no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Publicado: 23 Junho, 2020 - 11h35 | Última modificação: 23 Junho, 2020 - 11h42

Escrito por: Fetraece

notice
Durante a pandemia do Covid-19 e com o isolamento social, as mulheres passaram a ficar mais tempo com os agressores em casa e a violência aumentou. Informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos apontam que durante a pandemia do novo coronavírus o registro de agressões contra mulheres subiu quase 40%. Com base neste cenário, a Secretaria de Mulheres da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Ceará (Fetraece), após diálogo com o Coletivo Estadual de Mulheres da Federação e a Direção Executiva, resolveu lançar uma campanha que busca alertar sobre o aumento das agressões e estimular que as mulheres possam denunciar. O lançamento oficial ocorreu nesta sexta-feira, 19 de junho, e a ação é intitulada de Margaridas empoderadas no enfrentamento à violência contra as mulheres.
 
 
“A violência contra as mulheres é reflexo de uma sociedade machista. É uma verdadeira enfermidade social e que deve ser combatida por todas e todos. Não é um problema exclusivo da mulher que foi agredida, mas sim, de todo mundo. Por isso, um dos principais gritos da Marcha das Margaridas é ‘que seguiremos em marcha até que todas sejamos livres’”, afirma a secretária de Mulheres da Fetraece, Cícera Vieira. 
 
Dados do Ministério da Saúde apontam que no Brasil a cada 4 minutos uma mulher é agredida por um homem. A violência ocorre principalmente dentro da própria casa da mulher e cometida por um conhecido.
 
Campanha 
 
Serão desenvolvidas diversas atividades e ações. Como pré-campanha, a Secretaria de Mulheres da Fetraece já realizou sete encontros regionais que debateram sobre o assunto com mulheres de todas as regiões do Ceará. Também foi realizada na quinta-feira, 18, uma live na página da Federação no Facebook e que contou com a participação de Cícera Vieira (Secretária de Mulheres da Fetraece); Rena Gomes (Delegada e Diretora do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil); Kamila Moura (Delegada Titular da Delegacia da Defesa da Mulher do Crato) e Conceição Perulino (Coordenadora da Fetraece na Região Centro Sul e Vale do Salgado).
 
“Além do medo de denunciar, muitas mulheres não procuram as autoridades por terem dificuldades de saber quem procurar ou para onde ligar para pedir socorro, por exemplo. Pensando nisso, resolvemos disponibilizar dentro do aplicativo da Web Rádio Fetraece (exclusivo para celulares Android) um botão de denúncia. Como muitas vezes o agressor monitora a vítima para que não consiga sair de casa para pedir ajuda, a mulher agredida pode instalar o aplicativo e ouvir música para não levantar suspeita, por exemplo. Então quando tiver uma oportunidade, clica no botão e será direcionada para uma ligação do 180, que é o número da Central de Atendimento à Mulher”, explica Cícera Vieira.
 
Sobre a campanha e a disponibilidade do botão de denúncia no aplicativo, a delegada e diretora do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, Rena Gomes, afirma que “a estratégia é excelente e apresentar ferramentas que facilitam as denúncias, que esclarecem os direitos e garantias das mulheres vítimas de violência é sempre um ganho. As mulheres precisam se sentir apoiadas para efetivar as denúncias e quebrar o ciclo violento que tanto às machuca”.
 
No decorrer da campanha, serão disponibilizados vídeos, spots, cards, banners e textos para possibilitar que os sindicatos e outras instituições parceiras possam trabalhar a temática nos municípios, distritos e comunidades.
 
O site da Fetraece vai contar com um espaço onde as pessoas poderão acessar todo o material criado.
 
Veja no vídeo como utilizar o aplicativo para realizar a denúncia de violência contra as mulheres