• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Nota de repúdio às demissões e aos cortes de energia

Sindeletro colocou a assessoria jurídica da entidade à disposição dos trabalhadores demitidos da Sirtec, que presta serviço para a distribuidora de energia Enel

Publicado: 24 Março, 2020 - 14h59

Escrito por: Sindeletro

notice

O Sindicato dos Eletricitários do Ceará (Sindeletro) repudia a demissão de pelo menos quatro trabalhadores da Sirtec, que presta serviço para a distribuidora de energia Enel (antiga Coelce privatizada em 1998), e a suspensão de cerca de outros dez empregados da mesma empresa. Domingos Ferreira da Silva, Paulo Victor Maciel, Rafael Costa Moura e Ramiro Roseno Sombra foram contatados pelo Sindeletro, que colocou a assessoria jurídica da entidade à disposição dos trabalhadores injustamente demitidos nesta segunda-feira (23 de março).

A entidade cobra que a decisão seja revista pela Sirtec, levando em consideração que a pandemia de Covid-19 requer medidas que priorizem a saúde dos empregados e da população, que depende do serviço de fornecimento de energia para enfrentar o período de isolamento. O Sindeletro cobra ainda que, temporariamente, não haja corte do serviço de distribuição de energia.

O Sindicato dos Eletricitários lamenta profundamente que o posicionamento coletivo e solidário desses profissionais contra a realização de cortes no fornecimento de energia durante a epidemia mundial de coronavírus seja punido com demissão, sob a concordância da contratante Enel. De acordo com o relato dos trabalhadores, a maioria dos cortes a serem executados em períodos normais requer prazo de pelo menos sete dias para que haja a religação do serviço.

Na segunda-feira, dia 23 de março, o Sindeletro havia encaminhado à Coelce/Enel ofício solicitando que a empresa adote funcionamento para atendimento emergencial, priorizando serviços considerados essenciais, reduzindo ao máximo a exposição dos trabalhadores ao coronavírus e garantindo todas as medidas para a segurança dos que atuam em campo.

Cabe destacar que a preocupação da entidade e da categoria é totalmente procedente, pois, segundo o Ministério da Saúde, o Ceará é um dos estados mais atingidos pela doença no Brasil até agora. A Secretaria da Saúde do Ceará informou que foram confirmados pelo  menos 164 casos de Covid-19 até o dia 23 de março de 2020.

Diante desse cenário, é preciso levar em conta que a categoria está trabalhando sob  pressão, preocupada com a própria saúde em meio à pandemia e solidária à situação de outras famílias. Afinal a ação da Sirtec e da Enel de realizar novos cortes pode privar diariamente dezenas de lares do fornecimento de energia elétrica, um serviço fundamental para enfrentar o isolamento recomendado pelas autoridades de saúde para reduzir o avanço da doença.

O momento de extrema crise é também o de repensar nossa sociedade. Não é hora de priorizar o lucro, mas de pensar coletivamente. Foi exatamente isso que fizeram os trabalhadores da Sirtec: agiram em prol da segurança da população cearense. Em troca, foram mandados embora. Nesse sentido, o Sindeletro cobra que a Coelce/Enel não realize novos cortes durante o período de pandemia e que os trabalhadores da Sirtec não sejam punidos por agirem solidariamente.