• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Transporte público expõe trabalhadores a risco de contaminação por coronavírus

Desrespeitos às medidas de prevenção a covid-19 e lotação são alguns dos motivos que trazem a sensação de insegurança

Publicado: 04 Setembro, 2020 - 11h55

Escrito por: Brasil de Fato Ceará

Mateus Dantas
notice
Infelizmente os ônibus estão tão lotados quanto um dia já estiveram, e a maioria das pessoas ainda

O plano da retomada da economia no Ceará possibilitou, aos poucos, que as pessoas voltassem aos trabalhos, frequentasse áreas de lazer e fosse saindo gradativamente da quarentena. Mesmo com essa reabertura alguns cuidados ainda são necessários como o uso de máscara, o uso de álcool e não fazer aglomerações. Mas como tudo isso é possível se muitas vezes as pessoas não respeitam esses cuidados? O transporte público é um exemplo do não cumprimento dessas iniciativas. Com a volta presencial dos trabalhos, os trabalhadores muitas vezes precisam se locomover utilizando o transporte público, mas como está o cuidado com os passageiros nesse espaço?

O professor, Cláudio Monteiro é uma dessas pessoas que precisam do transporte público. Ele afirma que algumas linhas já estão lotadas novamente. Questionado sobre se há alguma ação nos ônibus de conscientização para a questão da higiene, ele afirma que sempre que pego um ônibus vê garrafas de álcool em gel nos veículos, bem como placas de aviso dizendo que só é permitido ingresso de passageiros usando máscara. Mesmo com esses cuidados, ele admite que ainda não se sente seguro em circular nos transportes públicos, mas que toma as precauções necessárias. 

Maboo Barros, operadora de call center também é uma das profissionais que utilizam o transporte público na capital cearense. Para ela, os ônibus não estão preparados para receber o público. “Mesmo quando houve o decreto de isolamento não existia de fato segurança para os ‘poucos’ trabalhadores, que ainda eram muitos. Ainda mais por que eles diminuíram as rotas, o que gerou lotação”. 

“Infelizmente os ônibus estão tão lotados quanto um dia já estiveram, e a maioria das pessoas ainda tiram a máscara para respirar, para comer ou fazem o uso inadequado dela. O que facilita a transmissão já que rola aglomeração desde os pontos de ônibus”, afirma.

Maboo também não se sente em pegar o ônibus. “Eu trabalho para uma empresa de saúde e acabo tendo muito medo contrair desde a ida ao trabalho à volta, já que faço o uso de transporte todos os dias. Mesmo com a quarentena nós funcionário não paramos”. Ela também explica que, além de ter os avisos nos ônibus sobre o uso de máscaras, já presenciou a entrada de passageiros sem o uso o equipamento.

A equipe do Brasil de Fato Ceará estou em contato com a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), que está à frente das ações de enfrentamento do coronavírus nos ônibus e terminais de Fortaleza. Sobre Higienização das plataformas, a assessoria de comunicação da Etufor informou que é feita a higienização das plataformas com uma solução de água e água sanitária (Hipoclorito de Sódio). De segunda a sábado, das 6h às 19h, todos os terminais recebem os funcionários que utilizam equipamentos especiais para realizar a atividade, que contempla ainda as áreas administrativas, bem como as áreas comuns, como as catracas. A higienização na parte interna dos ônibus também está sendo realizada pelas equipes nos terminais e nas garagens.

Já sobre a higienização dos ônibus e oferta de álcool em gel, ela informou que a Prefeitura de Fortaleza garantiu o reforço de higienização nos equipamentos de transporte, incluindo a limpeza diária dos veículos nas garagens das empresas associadas ao Sindiônibus. Estão disponíveis também nos sete terminais dispositivos com álcool em gel. Além disso, está garantida a disponibilidade de água e sabão nos banheiros, bem como novas pias nas plataformas dos sete terminais.

Edição: Monyse Ravena